terça-feira, 2 de julho de 2013

Desapega-te - Olindo Santana

Desapega-te das emoções,
espírito inquieto e solitário.
Não é este corpo que te aprisiona,
são as verdades deste mundo.
O homem é desejo mortal,
criatura do bem e do mal!
Porque agonizas na terra,
se pela terra o céu alcançarás.
Secreta-te as tuas agonias.
Controlas as ansiedades tuas,
do bem de vem as alegrias,
do mal, as verdades cruas.
Não te aprisiones ao alheio,
pois não existes para julgar,
deixa que a balança do tempo,
tem o seu tempo de trabalhar.
Ama a mulher ao teu lado,
que do teu lado não te deixa chorar.
Faz teu amigo feliz,
que se alegra em te ajudar.
Transcende... seja essa luz que se acende,
no topo da montanha fria,
seja calor enquanto e noite,
seja sombra quando esquenta o dia.
Verás que na razão,
teu espírito sossegará,
e quando te vier a nova vida,
nem deste corpo, nem deste mundo,
te lembrarás.
Agora, esquece as verdades
que as tuas emoções insistem em enxergar.
Há tantas coisas mais...