quarta-feira, 1 de maio de 2013

Lembranças e Agradecimentos - Olindo Santana

Eu conto a canto as minhas lembranças.
Hoje, tão distantes de mim.
A velha fogueira acesa no coração,
Não se tornou em cinzas,
Que se perderam porque voaram aos ventos.
Há todo um abrigo, no mundo das minhas memórias.
Não choro!...recordo...
A doce poesia guarda em meus olhos
O brilho intenso de cada sorriso
E a lágrima triste de cada partida.
Os meus amigos que se foram,
Os meus primeiros amores, que findaram,
E a família que não mais reúno
Em sua completa e total originalidade...
Está tudo guardado, tudo protegido,
Indescritivelmente valorizado
No meu gigante mundo de saudade.
Sou feliz, porque o tempo não me amargou.
Porque desfrutei de tudo que me permitiram,
Ou amei todos que me foi permitido...
E é a esses, ao tudo e a todos
Que agora, alegremente agradeço.
Quando o decorrer da minha vida,
Já se torna quase um pôr do sol,
Amadureço também, para a certeza:
-"A vida vale muito à pena!"
Com todo o seu contrate
E toda a sua delicadeza.