sexta-feira, 5 de abril de 2013

Canção Entre Parênteses - Guilherme de Almeida

Que bom que você veio!
( Estava de ouro na janela o poente:
e cerrei a janela calmamente;
no meu cigarro havia um céu inteiro:
e deixei-o apagar no cinzeiro;
o romance que eu lia era o mais lindo:
e marquei minha página, sorrindo;
o meu sorriso era o melhor que existe:
e desfolhei-o, docemente triste;
a frase que eu pensava era tão louca:
e fechei para um beijo a minha boca;
nos meus olhos a vida inteira ia cantando:
e olhei para você quase chorando...)
Que bom que você veio!




Nem um poeta me emociona tanto quanto Guilherme de Almeida, como um homem de extraordinário conhecimento, pode ao mesmo tempo, transparecer tanta doçura, uma doçura quase infantil ou adolescente.
Como uma linguagem tão rica pode apresentar uma mensagem tão simples, quase ingênua, porém de um valor racional profundo.
( Fico pensando neste poema dele: "totalmente realizado e ainda assim, abrir mão de tudo, por uma única pessoa. É pra pensar!)