terça-feira, 4 de junho de 2013

Coração ( solitário ) Olindo Santana

É triste um coração solitário,
e cruel a sombra fria da noite
que cai somente para torturá-lo.

Como são tristes os uivos dos ventos
que com ele, choram o mesmo lamento,
sem ninguém para escutá-lo.

Como dura o inverno
quando ao coração falta agasalho.

E como ele bate acelerado,
quando todos os seus pensamentos
estão completamente apavorados.

Seu medo cresce na imagem noturna
e no cenário da agonia
seus lábios simplesmente murmuram:
- Vai noite, sai madrugada.
Mas nem vem o dia
e nem vem o sono
e nem vem nada!

Outro dia, olhei para o céu,
e vi uma nuvem...
Um rosto pálido passando por lá.
Senti uma enorme tristeza,
porém, uma voz carinhosa
pediu-me para não chorar.
Foi então que percebi
que o coração acabara por se libertar.